Exposição
em cartaz

 

Antonio Dias / Arquivo / O lugar do trabalho acompanha fragmentos e rastros materiais das estratégias, ao mesmo tempo políticas e estéticas, delineadas pelo artista brasileiro Antonio Dias durante a década de 1970.

  • Preto Ícone YouTube
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Pinterest
Materiais_IAC_ExpoAntonioDias_2021_BANNER_SITE_AF.jpg

Exposição

ANTONIO DIAS /

ARQUIVO /

O LUGAR DO

TRABALHO

Curadoria
Gustavo Motta

Artista na exposição

Antonio Dias

Período

1 set > 18 dez 2021

Abertura

1 set > 14h às 20h

Horários de visitação

terça a sexta-feira
11h, 14h, 15h e 16h
sábados
12h, 13h, 14h e 15h

mediante agendamento

Local

Instituto de Arte Contemporânea

Av. Dr. Arnaldo, 126
Consolação - São Paulo

O Instituto de Arte Contemporânea — IAC apresenta a exposição

Antonio Dias / Arquivo / O lugar do trabalho.

 

Com curadoria de Gustavo Motta, a mostra traz ao público notas, projetos, obras, cadernos, publicações, esboços e recortes – oriundos majoritariamente do arquivo de trabalho de Antonio Dias, recém-confiado ao IAC.

 

Estes materiais jogam nova luz sobre os procedimentos de reengenharia subversiva da arte efetuados pelo artista – que configuraram intervenções decisivas no debate coletivo da vanguarda artística brasileira do pós-1964, e cujas reverberações críticas aparecem intensificadas no presente.

 

Esta exposição integra a rede de parceiras da 34ª Bienal de São Paulo onde há uma sala com obras do artista. 

caderno_ad_17.png

Antonio Dias

Caderno [Paris/Milão]
Desenhos, anotações e colagens

Pág. 17, 1967-1969

Acervo Antonio Dias,

Instituto de Arte Contemporânea

Sobre o curador


Gustavo Motta é crítico e historiador da arte, Mestre e Doutor em Artes Visuais pela USP, com pesquisas sobre arte brasileira (da década de 1960 à atualidade). Editor da revista dazibao – crítica de arte, foi professor de história da arte na UDESC (Florianópolis-SC) e de cursos de Arte Conceitual no SESC-Pompeia.




Sobre a 34ª Bienal — Faz Escuro mas eu canto


Com curadoria geral de Jacopo Crivelli Visconti, a 34ª Bienal – Faz escuro mas eu canto, iniciada em fevereiro de 2020, vem se desdobrando no espaço e no tempo com programação tanto física quanto on-line, e culminará na mostra coletiva que vai ocupar todo o Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Parque Ibirapuera, a partir de setembro de 2021, simultaneamente à realização de dezenas de exposições individuais em instituições parceiras na cidade de São Paulo. De 4 de setembro a 5 de dezembro de 2021. Entrada gratuita.




Sobre o artista


Nascido em Campina Grande, Paraíba, em 1944, Antonio Dias viveu e trabalhou entre Milão, Itália, e Rio de Janeiro, Brasil, onde faleceu em 2018. Um dos nomes mais importantes da arte contemporânea brasileira, iniciou sua carreira na década de 1960. Artista multimídia e professor, suas obras foram apresentadas em mais de uma centena de exposições individuais e coletivas nas mais destacadas instituições do mundo e fazem parte de importantes coleções públicas e privadas: MoMA NY; Daros Latinamerica Collection; Museum Ludwig; MALBA; MAM-SP, Instituto Itaú Cultural, entre inúmeras outras.





v3.png